Letras

Assimilação (Asimilasyon)

 

Sol ardente nasce

Nas mentes mofadas

Uivos idiotas

Assimilação!?

 

Não, eu Não!

 

Cuida-te, esta praga está se espalhando

Aranhas em todos os lugares

Vamos cavar a sepultura

Olhe o dia despertar novamente

 

Se um lado de nós diz

Fátua difusão

 

 

Alucinação (Sanri)

 

Os risos pisam em meu cérebro

as paredes se dobram seguidamente,

o medo colapsa em cima de mim

exalando-me seu astuto alento.

 

Insetos alimentados com sangue

sugaram minha alma até deixá-la seca,

Estão por toda parte!

 

 

Ritual (Rituel)

 

Enterrado

no vácuo cego,

roendo insetos,

ossos resistindo,

Sente a dor!

dança comigo.

 

 

Monotomia (Monoton)

 

Me deixando levar

desde as alturas

repentinamente

um braço agarra meu corpo.

 

Estamos caindo!

desde as alturas

E assim que nos unimos

desaparece de novo

insidiosamente.

 

Minha alma se equilibra

no vento disperso

e tudo o que eu sei, é o que sinto

voltarei!

te enterrarei em minha tumba!

 

 

Celebração sombria (Kasvetli Kutlama)

 

Todas as cores desbotaram

Em um buraco negro

Todas as vozes se calaram

Num instante

 

Todas as almas se decomporam

Nesta celebração sombria.

Todas as faces falsas

Em máscaras de couro.

 

E, novamente,

O nada!

Minha existência se afogando

No abismo.

 

 

Pessoas (Insanlar)

 

As pessoas

por que rezam?

As pessoas

foram desonradas

e as flores são taciturnas.

 

As pessoas

por que rezam?

As pessoas

glorificaram o obscuro.

 

Toda a beleza

pode desvanecer num instante.

Tudo perdido em seu nome.

Toda a beleza

pode desvanecer num instante.

Tudo perdido,

tudo por nada…

 

 

A noite surgiu (Belirdi Gece)

 

Silenciosamente

a noite surgiu,

furtivamente

com sua sombra maldita.

 

Silenciosamente

a noite surgiu,

furtivamente.

 

Ninguém sabe,

ninguém vê,

ninguém ouve.

 

 

O aparecido (Ruh)

 

Metade anjo, metade besta

voltarei ao teu seio uma vez mais.

Metade anjo, metade besta

Voltarei junto de ti.

 

Secretamente com as sombras da noite,

aninharei um crepúsculo ao teu lado

ennroscando-me ao redor de um túmulo

como uma cobra,

por ti…

 

 

Mundo Gris (Bozbulanik)

 

Minhas mãos ensanguentadas

insignificante a teus olhos!

Grito no vazio,

em tua ausência sem sentido.

 

O sol nunca se levanta

em meu lúgubre mundo gris.

 

 

Rasgue-me (Kemir Beni)

 

Morro há meses

Corpo decaído

O único remanescente

 

Corpo decomposto

Minhas mãos na tela

Em toda parte, meus olhos

 

Quartos em

Corpo decomposto

Ofertado, perdido,

 

Erin é sempre o mesmo

Algo que só o

Corpo decomposto

 

[…]

 

 

Translation by/Tradução de Gleiton Lentz

Advertisements